Preparando um CV? Cuidado para não embelezar sua experiência demasiadamente.

Preparando um CV? Cuidado para não embelezar sua experiência demasiadamente.
By: Liz Burke / NZ Herald

É um truque tentador que todos nós pensamos em usar quando nos candidatamos a uma vaga de emprego.

Todos nós já fizemos isso.

Algumas habilidades extras aqui, uma promoção marota alí – embelezar o CV quase que se tornou parte do processo de dar os últimos retoques ao documento profissional.

Mas novas pesquisas mostraram que auto-promotores desonesto estão atirando nos próprios pés. A pesquisa de 460 gerentes de contratação em toda a Austrália mostra que mais de dois em três (68%) já eliminaram ao menos um candidato a emprego depois de descobrirem “informações desonestras ou exageradas” em suas aplicações.

Os gerentes disseram que o campo mais frequente no qual eles pegaram os candidatos que estavam mentindo foi em experiência de trabalho. A pesquisa encomendada pelo recrutador Robert Half revelou que a maioria dos gerentes – 60 % – disse que pegaram candidatos desonesto ou que exageraram sobre seus empregos anteriores com a boca na botija.

Quase metade disse que haviam pegos/pegado os candidatos mentirosos nos campos educação ou qualificações, e o mesmo número de gerentes, 48 ​​%, tiveram experiência com candidato mentindo sobre suas habilidades técnicas.

Mentiras sobre habilidades atividades desempenhadas em empregos anteriores haviam sido pegos por 30% dos gerentes, enquanto 25% tinham notado pessoas mentindo ou inventando estágios.

O diretor da Robert Half Australia, Andrew Morris, disse que os gerentes estavam mais propensos a fazerem verificações rigorosas do histórico do candidato mais do que nunca.

“Transparência e honestidade durante o processo de aplicação e entrevista de emprego são fundamentais para candidatos que desejam ser considerados para um trabalho “, diz Morris.

“Muitas empresas levam verificações do histórico do candidato muito a sério, algo que hoje em dia é mais fácil graças ao aumento da transparência online e das mídias sociais.

“Uma vez que a mentira é descoberta, a credibilidade profissional dos candidatos fica danificada, e suas chances de pegar o emprego ficam muito escassas, mesmo que sejam ideais para o cargo”.

Morris advertiu que, embora alguns esperançosos façam enfeites sem intenção implícita de enganar os empregadores, dobrar a verdade em uma entrevista de emprego ou em um currículo é sempre um caminho perigoso a se tomar.

Faltar no trabalho não é o único risco que essa prática acompanha

“Mesmo pequenas mentiras têm consequências que podem voltar a perseguir os profissionais ao longo de suas carreiras”, diz ele.

“Se eles são bem sucedidos em garantir o trabalho mas forem pegos mais tarde, provavelmente resultará em rescisão, prejudicará a reputação dos candidatos e eliminará a opção de obter uma referência positiva para futuros empregos”.

Com relação a aspectos positivos, Morris afirma que um CV curto, direto, fácil de ler e que contém palavras-chave relevantes que correspondem aos critérios do trabalho e as habilidades do candidato sempre são os mais prováveis ​​de terem sucesso – desde que seja honesto.